Moço, dá licença…

keep-calm-and-cada-um-no-seu-quadradoPs.: A imagem cortada é proposital, abaixo vocês vão entender porque.

Meninas, pode parecer um manual daqueles da revista contigo da forma que eu vou colocar aqui, mas o papo é sério: Delimite sua área no transporte publico, nada de muito espaço pra eles abrirem as pernas e “expor” seus membros e nós ali do lado de perninha fechada como a mamãe ensinou na infância, o espaço é o mesmo para ambos, pode ser que realmente não precisemos preencher todos o espaço, mas… cada um no seu quadrado.

Tirei uma foto no transporte publico esses dias, as perninhas finas da esquerda são as minhas. Fiz questão de tirar que estava ali delimitando meu espaço, e nem por isso estava “esparramada” no banco.

ana
As vezes é necessário uma “luta entre joelhos e pernas” pra que isso seja possível, é desagradável? É… mas é um mal necessário, não ceda, nem pra que isso você cruze as pernas em 4 e suje a calça do desagradável que estiver abusando do espaço alheio.

Parece o manual da guerrilha do transporte publico para moças, rs.

pernas cruzadas

 

     Certo     &    

pernas cruzadas    Certo

Ta quente esses dias né? Pois bem, num desses dias quentes e abafados resolvi usar bermuda para ir trabalhar, um desses babacas sentou do meu lado e olhava para as minhas pernas como se nunca tivesse visto pernas desnudas antes…

Depois de certo tempo, incomodada com a situação, virei e falei baixinho pra ele: – “Se continuar me olhando desse jeito, eu te estouro.”  Me surpreendi com o tom calmo da minha voz, já que eu estava muito puta com a situação, mas isso funcionou, ele olhou pra mim, levantou e permaneceu em pé até que se ponto chegasse… 😀
Eu permaneci no meu canto, agora mais feliz e tranquila pra seguir o resto da viagem.

O intuito não é incentivar a fazer o mesmo, cada situação é singular, cada um tem uma personalidade, mais calma, mais estourada, tudo depende do dia, da pessoa, do lugar, etc, mas vamos refletir, porque somos tão oprimidas o tempo todo e temos que permanecer caladas, em nome da boa vizinhança?

Nops, não devemos, não podemos…

Por mais experiência igualitárias, por menos permissividade, menos opressão, menos (SEM) machismo, pelas mulheres ❤